• Em promoção!
A melhor máquina viva

A melhor máquina viva

COMPANHIA DAS LETRAS , Fevereiro 2020

Uma reflexão hábil sobre o valor da literatura, uma crítica indiscreta ao capitalismo, a derradeira denúncia da ironia de tudo.

AUTOR FINALISTA DO PRÉMIO OCENOS 2019

E VENCEDOR DO PRÉMIO INCM / VASCO GRAÇA MOURA

«O primeiro romance de José Gardeazabal é um livro profundamente político, alegórico, irónico e aforístico.»

José Riço Direitinho in Público

Anders Kopf é um jovem aspirante a escritor que decide mergulhar na pobreza por um ano e afastar-se de um passado doloroso. É um exercício temporário cujo objectivo é melhorar a literatura. Com os seus novos companheiros faz um batismo de pobreza, pratica roubos colectivos em matadouros, partilha refeições suspeitas e sofre injustiças... Ler mais

Anders Kopf é um jovem aspirante a escritor que decide mergulhar na pobreza por um ano e afastar-se de um passado doloroso. É um exercício temporário cujo objectivo é melhorar a literatura. Com os seus novos companheiros faz um batismo de pobreza, pratica roubos colectivos em matadouros, partilha refeições suspeitas e sofre injustiças pedagógicas. Durante todo esse tempo, reescreve a sua própria história de orfandade e de crime.
Eeva Wiseman é uma bela capitalista que herdou do pai um antigo matadouro, relíquia macabra do século XX. Administra com agilidade maternal o seu império de negócios, na sombra voraz da globalização, ao mesmo tempo que ressuscita da ressaca de um grande acidente e de um desaparecimento absoluto.
O que têm Kopf e Eeva a oferecer um ao outro? Entre o amor e a amizade, qual a melhor máquina? A liberdade e o sexo; a pobreza e a abundância; o triângulo homem, mulher, animal, são estas as várias máquinas modernas que alimentam a literatura.

«Isto parece ficção. Mas o que é que não é ficção, hoje em dia?»

A Melhor Máquina Viva é uma aventura pessoal pelas ruínas da utopia, da pobreza e do capitalismo, da literatura e da natureza humana.

Os elogios da crítica:

Sobre Meio Homem Metade Baleia
«A ironia em José Gardeazabal não é subtil, antes evidente, exagerada, declarada como recurso feroz de procura de sentidos, com vontade de baralhar, e de em extremo ser capaz de alterar fronteiras entre utopia e distopia.»

José Riço Direitinho, Público

«Toda a filosofia, sociologia e ideologia pós-moderna vazada num único romance, e vazada ao nível da excelência, seja enquanto estilo (...), seja enquanto léxico (...), seja enquanto sintaxe (...), num género híbrido, inclassificável à luz da teoria clássica da literatura.»

Miguel Real, Jornal de Letras

«Em pouco tempo, já construiu uma obra notável, em vários domínios.»

Manuel Halpern, Jornal de Letras

Sobre a obra de José Gardeazabal:
«O que mais surpreende é a escala e o fôlego do seu projecto literário.»

José Mário Silva, Expresso

«O aparecimento de José Gardeazabal no plano literário europeu contribui para uma desconstrução da Europa moderna.»

Ana Catarina Anjos, A Europa face à Europa: poetas escrevem a Europa

«Um exercício invulgar, notável e vertiginoso que conduz a literatura para um lugar novo.»

Júri do Prémio Imprensa Nacional Casa da Moeda/Vasco Graça Moura

«Não deixará nenhum leitor indiferente.»

José Tolentino de Mendonça

Ler menos
Colecção
Companhia Das Letras
Páginas
304
Idade recomendada
Adultos
Formato
Capa mole
Idioma
PT
Data de publicação
2020-02-01
Autor
José Gardeazabal
Editora
COMPANHIA DAS LETRAS
Colecção
Companhia Das Letras
Páginas
304
Idade recomendada
Adultos
Formato
Capa mole
Idioma
PT
Data de publicação
2020-02-01
Autor
José Gardeazabal
Editora
COMPANHIA DAS LETRAS
9789896659660
2020-02-01
Não há opiniões
José Gardeazabal
José Gardeazabal
Ver mais
José Gardeazabal nasceu em Lisboa, onde vive actualmente. Viveu, trabalhou e estudou em Luanda, Aveiro, Boston e Los Angeles. Em 2013, viu o seu conto Várias versões de uma catástrofe publicado na Granta... Ler mais

José Gardeazabal nasceu em Lisboa, onde vive actualmente. Viveu, trabalhou e estudou em Luanda, Aveiro, Boston e Los Angeles. Em 2013, viu o seu conto Várias versões de uma catástrofe publicado na Granta portuguesa. Em 2015, foi distinguido com o Prémio INCM/Vasco Graça Moura com o livro de poesia história do século vinte. Em 2016, publica Dicionário de ideias feitas em literatura, uma colectânea de prosa curta, e em 2017 lança-se na dramaturgia com a publicação de três peças de teatro a que chamou Trilogia do olhar. Meio homem metade baleia é o seu primeiro romance.

Ler menos
Ver mais
Subscreva a nossa newsletter de novidades editoriais

Actualidad

Artigos relacionados com este livro

Opiniões

Opiniões

Não há opiniões
Artigo adicionado à wishlist