PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL

(em compras superiores a 15€)

PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL (em compras superiores a 15€)

Shop

18,41

Preço fixo até 31/08/2024 (?)

Preço livre (?)

Ao ritmo do Harlem

Depois de dois prémios Pulitzer, Colson Whitehead volta a colocar o dedo na grande ferida da América, construindo um romance desassombrado e mordaz sobre desigualdade e injustiça, que é também uma carta de amor ao bairro nova-iorquino do Harlem.

Em stock

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Chancela

Autor(a) Colson Whitehead

ISBN 9789897843877

Data de publicação Setembro de 2022

Edição atual 1.ª

Páginas 408

Apresentação capa mole

Dimensões 150x235x26mm

Género Ficção, Literatura

Partilhar

Ray Carney tem uma história semelhante à de várias outras do seu bairro.

É vendedor de mobília, pai de família, homem pacato.

Pouca gente sabe que ele descende de uma linhagem de rufiões e que, sob a aparência de normalidade, há várias pontas soltas no seu caminho.

Como o dinheiro nem sempre chega, Ray desenrasca-se com esquemas trapaceiros e biscates pouco recomendáveis, à boleia das atividades ilícitas do primo Freddie. Mas há um dia em que os planos dão para o torto e Ray cai numa teia de corrupção, crime e pornografia, a que não faltam polícias duvidosos e arruaceiros sem escrúpulos. Começa aqui a sua vida dupla e

Ray vai percebendo melhor quem realmente puxa os cordelinhos por ali.

Um mistério policial entrelaçado com a história de uma família comum, encenado no fervilhante Harlem dos anos 60, sobre o pano de fundo do movimento dos direitos civis, numa época histórica irrepetível, que mudaria para sempre o mundo.

Colson Whitehead – «mestre do romance», um dos mais premiados escritores da atualidade e voz literária fundamental na história da cultura negra – oferece-nos uma narrativa de crimes e castigos, episódios tragicómicos, pequenas vinganças e grandes disfarces.

Um impressionante romance sobre raça e poder, os temas fulcrais da obra deste escritor.

 

Os elogios da crítica:

«Whitehead oferece-nos aqui a sua magnífica eloquência, numa trama onde se enredam história urbana, estratificação racial, grandes esperanças e pequenos trafulhas.» — The New York Times

«O leitor é transportado para o centro do movimento dos direitos civis, numa época em que os tumultos no Harlem começaram a transformar a cena política. A partir daqui, Whitehead constrói um romance policial brilhante, capaz de se desdobrar ainda numa reflexão acerca da geografia negra.» —  Financial Times

«Desenrolando-se a um ritmo veloz, revelador de arguta capacidade de análise e fino sentido de humor, este é um romance sobre raça, poder e a história do Harlem, sob a capa de um policial pleno de adrenalina.» — San Francisco Chronicle

«Ao contrário dos romances anteriores, A estrada subterrânea e Os rapazes de Nickel, dedicados a temas sérios como a escravatura e o sistema de justiça juvenil, Ao ritmo do Harlem é uma folia desenfreada e cativante. No entanto, também aqui o autor dá voz à devastadora desigualdade histórica que separa negros e brancos na Nova Iorque do século XX.» —  The Independent

«Um romance que é alta literatura mas também pura e descomplexada literatura policial.» — Los Angeles Times

«Whitehead dá continuidade a uma longa linhagem de escritores negros que usam de modo subversivo o romance policial, expondo as hipocrisias da justiça, os falsos argumentos morais do capitalismo e o facto de a América ter tido origem num saque de que todos somos cúmplices.» —  The Atlantic

Whitehead volta a mostrar que é um mestre da reinvenção.» —  The Washington Post

Whitehead exercita aqui com vigor o seu músculo literário, alargando as expectativas sobre a literatura policial. Este é também um romance social, que questiona a natureza do preconceito e a forma como o lugar de onde vimos impõe limites ao nosso futuro. Ao ritmo do Harlem está construído como uma tragédia em três atos para investigar se Ray Carney conseguirá escapar à vida que lhe foi destinada sem que ele quisesse.» —  The Observer

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Ao ritmo do Harlem”

O seu endereço de email não será publicado.

Relacionados