APROVEITE ATÉ 31 DE AGOSTO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL

APROVEITE ATÉ 31 DE AGOSTO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL

  • 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

14,31

Preço fixo até 31/01/2018 (?)

Preço livre (?)

A resistência

Prémio Literário José Saramago 2017 * Prémio Jabuti 2016 (categoria Romance)

Uma obra que explora magistralmente os temas da identidade, da família e do sentimento de pertença, pela mão de uma das mais promissoras vozes da literatura brasileira contemporânea.

Esgotado

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Autor(a) Julián Fuks

ISBN 9789896650513

Data de publicação Fevereiro de 2016

Páginas 216

Dimensões 145x230mm

Género Ficção, Literatura

Disponibilidade Temporariamente Esgotado na Editora. Ver outras Lojas

Partilhar

O ano de 1976, na Argentina, ficou marcado pelo início da ditadura militar, de que resultaram, entre muitos outros horrores, centenas de crianças desaparecidas. Na sequência do golpe militar, um jovem casal de psicanalistas decide deixar as trincheiras da Resistência e exilar-se no Brasil, levando consigo uma criança que adoptaram entretanto. Em terras brasileiras, o primogénito adoptado ganha irmãos. À medida que a família cresce, complicam-se as relações e adensa-se o mistério da identidade do primeiro filho. Cabe a Sebastián, o filho mais novo do casal e narrador desta história, tentar compreender e reconstruir o passado da família para poder reescrever o seu futuro.

Numa poderosa autoficção, Julián Fuks reconstrói a história íntima de uma família e de um país. Uma narrativa singular e engenhosa, em que emoção e inteligência andam de mãos dadas, em que facto e ficção não são exactamente o que aparentam.

«Não sei bem se escolhi meu tema ou se fui escolhido por ele. Muito antes de arriscar a primeira linha já sabia que um dia teria que escrever este livro, já ouvia os sussurros da história, já compreendia que tarefa era a minha.» Julián Fuks

Sobre A resistência:

«Um objeto narrativo dos mais sólidos, que não procura ser invasivo ou indiscreto, mas acima de tudo intenta resistir ao que nos devasta: o esquecimento, a alienação e a inobservância do outro e de si.» Estadão

«O narrador aprendeu com a psicanálise que a resistência pode ser o lugar onde emerge o que não se quer admitir ou enxergar. Daí a necessidade de não ceder diante dela. Ali, justamente, é onde se deve insistir. A literatura muitas vezes é a forma dessa insistência. Mas poderíamos pensar que a literatura também resiste: ela reproduz modelos identitários, reforça posições familiares, cristalizando relatos de si. (...) O irmão é o leitor que se imagina e se teme. O leitor que se enfrenta, corajosamente, como resistência ao silêncio.» O Globo

«É com o seu Sebastián-Julián, ´narrador não confiável´, no limite entre realidade e ficção, história e memória, que Fuks encontra na literatura a sua morada.» Folha de São Paulo

«Essa presença evasiva e escorregadia do irmão, que resiste ao apelo familiar, uma resistência pela imobilidade, como nos dirá Sebástian, o narrador do romance, pode muito bem nos remeter ao irmão alemão de Chico Buarque, que também se torna um pretexto familiar para figurar um drama que transcende esse universo e toca os dedos na ferida ainda aberta de uma das mais violentas décadas da América Latina.» Valor Econômico

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “A resistência”

O seu endereço de email não será publicado.

Relacionados