19,71 

Verdade tropical

Espécie de autobiografia, Verdade tropical é uma obra incontornável para quem procura conhecer Caetano Veloso. Idealizador do projecto Tropicália, Caetano nasceu como músico e compositor «mais ou menos involuntariamente», no seio de toda uma geração de artistas em efervescência contra os anos de chumbo impostos pela ditadura militar.

Esgotado

Temporariamente Esgotado. Opções de compra:

Características

Autor(a) Caetano Veloso

ISBN 9789896653620
Data de publicação Novembro de 2017
Páginas 600
Dimensões 125x190x13mm
Idade recomendada Adultos
Partilhar:
Descrição

As memórias de Caetano partem da infância em Santo Amaro, na Bahia – onde leu Clarice Lispector, ouviu João Gilberto e se apaixonou pela primeira vez -, atravessam a adolescência, a prisão em 1968, o exílio em Londres, compondo no seu conjunto um extraordinário panorama do Brasil e um fascinante retrato do artista. Publicado pela primeira vez em 1997, quando Caetano cumpria 55 anos, o livro foi agora revisitado por ele, no ano em que cumpre 75. No balanço, Caetano debruça-se sobre o seu percurso pessoal, musical e literário e faz um acerto de contas com a sua vida e a do seu país. Com absoluta franqueza, aguda provocação e um estilo muito próprio de empregar a língua portuguesa, Caetano dá mais uma prova da sua capacidade única e incomparável de nos emocionar com a palavra, expondo a sua «própria verdade».

Sobre Verdade tropical:
«Este livro (ou Caetano) mistura memórias, reflexões e intuições poderosas para fazer uma releitura sensível de vários tempos brasileiros.»
Milton Hatoum

«Verdade tropical ressoa e permanece excitante intelectualmente. E mais: são poucos os artistas brasileiros em qualquer área que conseguiram compor essa mescla tão bem arquitetada de pessoal e universal, de anedota e discussão estética. Caetano, hoje aos 70, continua tendo muito a dizer.»
Leandro Sarmatz, editor

«Em plena grande confusão contemporânea, Caetano Veloso se revela muito mais lúcido do que idiossincrático (como poderiam fazer temer algumas facetas de sua persona pública) e tão moderno quanto fundamentalmente (em mais de um sentido) ‘de esquerda’, em que pese a falta de qualquer ranço ideológico dificultar tal identificação para os que dele dependem.»
Luis Dolhnikoff, Sibila, revista de poesia e crítica literária

Do mesmo autor

19,76 

Letras

Outras sugestões

10,76 

Assim foi Auschwitz

19,75 

Eu serei a última

17,99 

O Mundo Privado dos Presidentes dos Estados Unidos

17,91 

Porque escolhi viver

19,76 

LULA, biografia. Volume 1

11,89 

Trooper: O Lince que Veio do Deserto

Artigos relacionados com o autor
Nenhum resultado encontrado.