APROVEITE ATÉ 30 DE SETEMBRO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL

(não acumulável com outras promoções)

APROVEITE ATÉ 30 DE SETEMBRO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL (não acumulável com outras promoções)

Shop

15,92

Preço fixo até 31/05/2018 (?)

Preço livre (?)

Crash

Publicado originalmente em 1973, Crash continua a ser um dos romances mais chocantes do século XX, tendo sido adaptado para cinema, sob o mesmo título e com igual controvérsia, por David Cronenberg.

Em stock

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Chancela

Autor(a) J. G. Ballard

ISBN 9789898839381

Data de publicação Junho de 2016

Edição atual 1.ª

Páginas 240

Apresentação Capa Mole

Dimensões 150x222x15mm

Género Ficção, Literatura

Partilhar

«Agora que o Vaughan morreu, partiremos com os outros que se reuniram à sua volta, qual multidão atraída para um inválido ferido cujas posturas deformadas revelam as fórmulas secretas das suas mentes e vidas.»

Ao destruir o seu carro num acidente, assistindo à morte do condutor do outro veículo diante dos seus olhos, James Ballard, o narrador deste livro, descobre o fascínio pela confusão e caos do metal e de superfícies amolgadas, resultantes do impacto entre carros.

É a visão do seu amigo e visionário Robert Vaughan, homem que conduz uma espécie de irmandade de adoradores obcecados com as possibilidades eróticas dos desastres de viação, que Ballard partilha connosco: o derradeiro acidente, uma colisão frontal, um vórtice de sangue, sémen e líquido refrigerante - retrato singular da dependência crescente da tecnologia como intermediária das relações humanas, em que o erótico, o mecânico e o macabro se confundem.

Publicado originalmente em 1973, Crash continua a ser um dos romances mais chocantes do século XX, tendo sido adaptado para cinema, sob o mesmo título e com igual controvérsia, por David Cronenberg.

Os elogios da crítica:

«Uma obra de uma originalidade poderosa. Ballard é um dos nossos melhores escritores de ficção.» - Anthony Burgess

«[Ballard] possui uma imaginação aterradora e extraordinária.» - The Guardian

«Ballard lembra-nos de que os sonhos são, muitas das vezes, perversos.» - Zadie Smith

Relacionados