APROVEITE ATÉ 31 DE AGOSTO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL

APROVEITE ATÉ 31 DE AGOSTO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL

  • 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

24,71

Preço fixo até 31/10/2023 (?)

Preço livre (?)

1000 anos de alegrias e tristezas

AS MEMÓRIAS DE AI WEIWEI, UM DOS MAIS IMPORTANTES ARTISTAS E ATIVISTAS DA ACTUALIDADE

Ambicioso e intimista, 1000 ANOS DE ALEGRIAS E TRISTEZAS oferece-nos um conhecimento profundo das várias forças que fizeram da China o que ela é hoje e é, ao mesmo tempo, um alerta para a necessidade urgente de proteger a liberdade de expressão.

Em stock

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Chancela

Autor(a) Ai Weiwei

ISBN 9789897843358

Data de publicação Novembro de 2021

Edição atual 1.ª

Páginas 464

Apresentação Capa Mole

Dimensões 150x230mm

Partilhar

Plano Nacional de Leitura

Biografia - Maiores de 18 anos

Em 1000 ANOS DE ALEGRIAS E TRISTEZAS, Ai Weiwei oferece-nos uma descrição impressionante da China dos últimos 1000 anos ao mesmo tempo que reflecte sobre o seu processo artístico.

Além de explorar as origens da sua criatividade fora de série e das suas apaixonadas convicções políticas, Weiwei revela ainda a história do seu pai, Ai Qing, outrora o poeta mais influente da China e companheiro próximo e íntimo de Mao Tsé-Tung.

Durante a Revolução Cultural Chinesa, Ai Qing foi considerado de direita e condenado a trabalhos forçados. Toda a sua família, incluindo o filho, foi desterrada para uma parte remota e desolada do país a que chamavam «Pequena Sibéria». Nas suas memórias, Weiwei descreve uma infância no exílio e conta-nos a difícil decisão de abandonar a família para ir estudar Arte nos Estados Unidos, onde se tornou amigo de Allen Ginsberg e encontrou em Marcel Duchamp e Andy Warhol uma inspiração.

Com honestidade e sageza, descreve o seu regresso à China e a sua ascensão de artista desconhecido a estrela da cena artística internacional e activista pelos direitos humanos - sem esquecer a forma como o seu trabalho tem sido moldado pela vivência sob um regime totalitário.

As esculturas e instalações de Ai Weiwei já foram vistas por milhões de pessoas em todo o mundo e um dos seus feitos arquitectónicos inclui a sua contribuição no desenho do Estádio Olímpico "Ninho de Pássaro", em Pequim.

O seu activismo político pô-lo desde cedo na mira das autoridades chineses, o que culminou numa detenção secreta em 2011 e que viria a terminar, ao fim de alguns meses, numa libertação sem qualquer queixa formal apresentada.

Ambicioso e intimista, 1000 ANOS DE ALEGRIAS E TRISTEZAS oferece-nos um conhecimento profundo das várias forças que fizeram da China o que ela é hoje e é, ao mesmo tempo, um alerta para a necessidade urgente de proteger a liberdade de expressão.

Os elogios da crítica:

«Estas memórias são, ao mesmo tempo, íntimas e comunitárias, uma interrogação sobre a arte e a liberdade… É uma história sociopolítica fascinante e uma cortina entreaberta para o percurso de um dos artistas mais importantes do momento.» TIME

«Cativante... Ai Weiwei cria um retrato vívido de duas gerações que tentam encontrar o seu lugar na cultura e na política chinesas e oferece ao leitor um vislumbre da sua abordagem à arte e ao processo criativo. Leitura recomendada.» LIBRARY JOURNAL

«Fluidas, genuínas… Estas comoventes e belas memórias são uma prova da perseverança e do poder da arte.» KIRKUS REVIEWS

«Ai Weiwei é um dos mais importantes artistas vivos. O seu trabalho é sempre provocador, imprevisível e tremendamente pessoal.» ELTON JOHN

«Com uma humanidade fora do comum, conhecimento desarmante e intimidade comovente, Ai Weiwei recorda uma vida de coragem, luta, derrota e triunfo. Uma das grandes vozes do nosso tempo.» ANDREW SOLOMON

«Estas são as mais raras das memórias, que se elevam acima do arco da História para tocar os limites da alma humana. O trabalho de Ai Weiwei é um testemunho notável do poder eterno da simples e audaz verdade. Sem a coragem para enunciar essa verdade, um artista mais não é que um decorador — e um cidadão, um súbdito.» EDWARD SNOWDEN

«As poderosas e íntimas memórias de Ai Weiwei são um protesto contra a destruição da memória e um forte testemunho do poder da liberdade de expressão.» EVAN OSNOS

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “1000 anos de alegrias e tristezas”

O seu endereço de email não será publicado.

Relacionados