PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL

(em compras superiores a 15€)

PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL (em compras superiores a 15€)

  • 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

16,61

Preço fixo até 30/04/2024 (?)

Preço livre (?)

Sobrevivi ao Gulag chinês

DA ACTIVISTA DOS DIREITOS HUMANOS, ESTE É UM TESTEMUNHO DA FORÇA E RESILIÊNCIA DAS MULHERES.

O SILÊNCIO NÃO É UMA OPÇÃO.

O relato de sobrevivência de uma mulher uigur num campo de reeducação chinês.

Rozeen Morgat é jornalista do Figaro, especializada na questão Uigur. É sua a recolha do testemunho, ao vivo, de Gulbahar Haitiwaji.

Em stock

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Chancela

ISBN 9789897846045

Data de publicação Maio de 2022

Edição atual 1.ª

Páginas 232

Apresentação Capa mole

Dimensões 150x230x15mm

Partilhar

Em 2006, Gulbahar Haitiwaji, mulher uigur originária da província de Xinjiang, na China, decide fugir do país com a família.

Dez anos depois, a viver em França com o estatuto de refugiada política, é chamada pelo governo chinês para resolver uma questão administrativa.

Ao chegar ao aeroporto, é imediatamente detida sob a acusação — falsa — de terrorismo e separatismo islâmico e enviada para um «campo de reeducação», onde, ao longo de quase três anos, é interrogada, torturada, privada de alimento, manipulada, esterilizada, brutalizada.

Em 2019, o New York Times tornou públicos os The Xinjiang Papers, que descrevem a repressão sistemática desta minoria étnica muçulmana de origem turcomena através da sua detenção e deportação massiva para campos de concentração.

Por detrás desta que muitos não hesitam em classificar de limpeza étnica, estará, também, o interesse do governo de Xi Jinping em Xinjiang, região por onde passará a nova ligação entre a Ásia e a Europa.

Salva pela persistência da família e pela pressão da diplomacia internacional, Gulbahar recorda uma experiência aterradora, a que poucos resistem para contar a história.

Este é o primeiro testemunho de uma mulher que sobreviveu e rejeitou o silêncio.

A sua história é um apelo ao Ocidente, para que não feche os olhos a esta barbárie humanitária em curso.

«Descrevo o que vivi. A cruel realidade.» Gulbahar Haitiwaji, Paris Match

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Sobrevivi ao Gulag chinês”

O seu endereço de email não será publicado.

Relacionados