• 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Os 7 pecados literários de Manuel Vilas

Publicado a 12/05/2022, na categoria: 7 pecados literários, Destaque, Especiais

Sem filtros, pedimos aos nossos escritores que nos revelem os seus maiores pecados – no mundo da escrita, claro está. Manuel Vilas, autor de «Em tudo havia beleza», «Os beijos» e «E, de repente, a alegria», inaugura esta rubrica e não podia ser mais mordaz e perspicaz a responder.

 

Orgulho
Que livro considera sobrevalorizado?

O «Ulisses», de James Joyce. É um livro insuportável. Se tivesse sido escrito em polaco, ou chinês ou romeno, não estaríamos a falar sobre isso. Foi um fenómeno publicitário para a língua inglesa.

 

Inveja
Que livro gostaria de ter escrito?

«Cem anos de solidão», de García Márquez.

 

Ira
Que livro ou personagem achou insuportável?

Eu não gosto nada do Deus do Antigo Testamento. Ele está muito zangado.

 

Ganância
O que roubou de outro livro para um dos seus?

Ideias, pensamentos, especialmente quando estava a começar a escrever. Ultimamente já não roubo muito; bem, alguns deles ainda roubo.

 

Luxúria
Com que livro ou personagem teve uma relação erótica?

Com a pobre Madame Bovary.

 

Gula
Qual é o livro que mais relê e porquê?

Releio a poesia, em geral. A poesia encoraja-me sempre a viver.

 

Preguiça
Que livro gostaria de escrever mas sabe que nunca o fará?

«Dom Quixote», de Cervantes.

E, de Repente, a Alegria

19,76

O novo romance de Manuel Vilas, depois do êxito estrondoso de Em tudo havia beleza

FINALISTA DO PRÉMIO PLANETA

«Uma crónica da celebração vital, da procura da verdade e da beleza  entre os estilhaços do medo.» El País

Os beijos

19,76

Do autor dos aclamados romances Em tudo havia beleza e E, de repente, a alegria, um livro que é uma ode ao poder salvífico do amor.

 

Partilhar

Os 7 pecados literários de Manuel Vilas

Publicado a 12/05/2022, na categoria: 7 pecados literários, Destaque, Especiais

Sem filtros, pedimos aos nossos escritores que nos revelem os seus maiores pecados – no mundo da escrita, claro está. Manuel Vilas, autor de «Em tudo havia beleza», «Os beijos» e «E, de repente, a alegria», inaugura esta rubrica e não podia ser mais mordaz e perspicaz a responder.

 

Orgulho
Que livro considera sobrevalorizado?

O «Ulisses», de James Joyce. É um livro insuportável. Se tivesse sido escrito em polaco, ou chinês ou romeno, não estaríamos a falar sobre isso. Foi um fenómeno publicitário para a língua inglesa.

 

Inveja
Que livro gostaria de ter escrito?

«Cem anos de solidão», de García Márquez.

 

Ira
Que livro ou personagem achou insuportável?

Eu não gosto nada do Deus do Antigo Testamento. Ele está muito zangado.

 

Ganância
O que roubou de outro livro para um dos seus?

Ideias, pensamentos, especialmente quando estava a começar a escrever. Ultimamente já não roubo muito; bem, alguns deles ainda roubo.

 

Luxúria
Com que livro ou personagem teve uma relação erótica?

Com a pobre Madame Bovary.

 

Gula
Qual é o livro que mais relê e porquê?

Releio a poesia, em geral. A poesia encoraja-me sempre a viver.

 

Preguiça
Que livro gostaria de escrever mas sabe que nunca o fará?

«Dom Quixote», de Cervantes.

E, de Repente, a Alegria

19,76

O novo romance de Manuel Vilas, depois do êxito estrondoso de Em tudo havia beleza

FINALISTA DO PRÉMIO PLANETA

«Uma crónica da celebração vital, da procura da verdade e da beleza  entre os estilhaços do medo.» El País

Os beijos

19,76

Do autor dos aclamados romances Em tudo havia beleza e E, de repente, a alegria, um livro que é uma ode ao poder salvífico do amor.

 

Partilhar