APROVEITE ATÉ 31 DE AGOSTO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL

APROVEITE ATÉ 31 DE AGOSTO – PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL

  • 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Autor

Pedro Vieira

Pedro Vieira nasceu em Lisboa, em 1975, cidade onde reside. Licenciado em Publicidade e Marketing pela Escola Superior de Comunicação Social, trabalhou no Canal Q das Produções Fictícias como criativo, tendo sido um dos responsáveis pelo programa Ah, a Literatura!.

Apresentou o programa diário Inferno e é, actualmente, guionista e pivô do programa O Último Apaga a Luz da RTP3.

É ilustrador residente da revista LER.

Estreou-se na ficção com Última Paragem: Massamá, com o qual venceu o prémio P.E.N. Clube Português para Primeira Obra 2012.

Em 2012 foi publicado Éramos Felizes e Não Sabíamos, uma compilação de crónicas.

O Que não Pode Ser Salvo, o seu segundo romance, foi publicado em 2015 e Maré Alta em 2019, ano em que lançou também Sou só eu que…

Neste momento é responsável pela comunicação do Cinema São Jorge e anfitrião do podcast (IN)pertinente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, dedicada aos temas da Política.

O grande livro dos ismos, um compêndio de 150 grandes - e pequenos - movimentos da História mundial é o seu sexto livro.

Do mesmo autor

show blocks helper

Plano Nacional de Leitura

Géneros

Chancela

Coleção

Filtrar por preço

O Grande Livro dos Ismos

15,93

Fascismo, comunismo, cavaquismo, socialismo, surrealismo, bota-abaixismo, amiguismo, cristianismo…
Os grandes ismos da história mundial marcam presença neste compêndio dos grandes – e pequenos – movimentos dos últimos milénios.

Sou Só Eu Que…

12,51

Quem nunca teve de aturar um beto de esquerda, um cidadão, um saudosista do Estado Novo, um influencer, um fumador, um ex-fumador, um ecologista, um velho do restelo, as crianças dos outros#

É irritante, não é?

Um compêndio inestimável com belíssimas ilustrações de algumas subespécies irritantíssimas de portugueses e respectiva catalogação.

Maré alta

16,92

Um retrato cru e épico do Portugal do século XX pela mão de um dos romancistas mais promissores da literatura portuguesa contemporânea.