26,95 

Jalan Jalan

O mundo, dizem, é um livro. E um livro também pode conter o mundo.

GRANDE PRÉMIO DE LITERATURA DE VIAGENS MARIA ONDINA BRAGA, ATRIBUÍDO PELA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCRITORES.

242 em stock

Características

Autor(a) Afonso Cruz

ISBN 9789896652289
Data de publicação Novembro de 2017
Páginas 656
Apresentação capa dura
Dimensões 125x190x15mm
Idade recomendada Adultos
Partilhar:
Descrição

Plano Nacional de Leitura

Cultura e Sociedade – Ensaio – Literatura – dos 9 -11 anos

Partindo das suas muitas viagens, Afonso Cruz apresenta neste livro a sua leitura do mundo, um passeio que nos leva a lugares tão persos como a geografia, a arte, a ciência, a filosofia e a literatura. Partilhando com o leitor as suas experiências, sugere que façamos com ele percursos idênticos, bastando, para passear assim, dar «um passo para o lado ou usar a imaginação».

O resultado poderá ser, se aceitarmos o convite, uma visão nova do mundo.

«Apesar da beleza da paisagem, dos campos de arroz, do verde omnipresente, dos templos hindus, dos macacos zangados, uma das melhores coisas que trouxe de Bali foi uma oferta do João, que embrulhou e me ofereceu uma palavra, talvez duas: Jalan significa rua em indonésio, disse-me. Também significa andar. Jalan jalan, a repetição da palavra, que muitas vezes forma o plural, significa, neste caso, passear. Passear é andar duas vezes. (…) Passear é o que fazemos para não chegar a um destino, não se mede pela distância nem pela técnica de colocar um pé à frente do outro, mas sim pelo modo como a paisagem nos comoveu ou como o voo de um pássaro nos tocou. É um pouco como a arte, tem o valor imenso de tudo aquilo que não tem valor nenhum. Pode não ter razão, destino, objectivo, utilidade, e é exactamente aí que reside a riqueza do passeio. Não existem profissionais do passeio. Chesterton, que era um grande apologista do amador, dizia que as melhores coisas da vida, bem como as mais importantes, não são profissionalizadas. O amor, quando é profissionalizado, torna-se prostituição.»

Os elogios da crítica:

«Afonso Cruz é um passeante a escrever sobre a matéria de que é feito o escritor e a literatura que produz: Jalan Jalan, espécie de enciclopédia, também livro de memórias.»
Isabel Lucas, Público

«Jalan Jalan, de Afonso Cruz, constitui um caso especial para quem gosta de ler boa literatura e para quem exige um pouco mais, ou muito mais do que a boa história. (…). Qual a matéria-prima desta obra? É a vida, mesma. Mais do que a imaginação. Nota-se que há matéria vivida. Afonso Cruz está a atingir a maturidade da escrita, afirmando-se como um autor que vale a pena ler e cultivar. Afonso Cruz usa a sua capacidade criativa em vários tabuleiros paranos entusiasmar na arte extraordinária e inesgotável da leitura.»
Guilherme de Oliveira Martins, Ensaio Geral, Renascença

«A leitura de Jalan jalan, de Afonso Cruz, transmite a sensação estética de se estar em presença de um autor em plena maturidade literária e filosófica. Aproveite, caro leitor.»
Miguel Real, Visão

«Já uma vez escrevi que Afonso Cruz é um dos autores mais cultos da sua geração, e este livro, na sua prosa fluida, no modo inteligente como nos dá a conhecer o mundo, é prova bastante.»
Eduardo Pitta, Sábado

«Este livro pode ler-se em sentido único, da primeira à última página, ou deambulando, para trás e para a frente, de texto em texto (…). O autor até dá uma ajuda para uma ordem e leitura alternativa: no fim de cada texto remete-se para outros que têm afinidades com ele. Jalan jalan torna-se, assim, uma espécie de labirinto onde cabem todos os assuntos do mundo.»
Pedro Dias de Almeida, Visão

«Jalan jalan não se destina a ser lido de uma vez. Não poucos dos textos contêm pensamentos que exigem pausa e meditação.»
Luís Faria, Expresso

«Jalan Jalan concede-lhe um novo lugar na literatura portuguesa deste terceiro milénio. (…) Afonso Cruz passa a ter um mundo próprio com 26 luas a rodar o planeta das suas escritas, tantas como as letras do nosso alfabeto.»
João Céu e Silva, Diário de Notícias

«Um livro desafiador, Jalan jalan, cujo significado é passear em indonésio, levará qualquer leitor ao reencontro da sua consciência, esse lugar feito de sonhos (ainda) por cumprir.»
Blogue Ler-te

Do mesmo autor

14,36 

Enciclopédia da Estória Universal: Recolha de Alexandria (Enciclopédia da Estória Universal 1)

16,61 

O cultivo de flores de plástico

16,60 

Nem todas as baleias voam

16,60 

A boneca de Kokoschka

12,57 

Agenda intemporal – O livro do ano

16,61 

Flores

12,56 

A Cruzada das Crianças

10,76 

Nem todas as baleias voam

14,36 

Enciclopédia da Estória Universal: As reencarnações de Pitágoras (Enciclopédia da Estória Universal 4)

14,36 

Deuses e afins (Enciclopédia da Estória Universal 7)

Outras sugestões

13,41 

Laços

14,99 

A Maldição de Hill House

17,96 

Mulheres

15,29 

Nada

15,29 

Eternidade

14,35 

Um Pouco de Cinza e Glória

Artigos relacionados com o autor
Nenhum resultado encontrado.