• 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

14,85

Preço fixo até 31/03/2023 (?)

Preço livre (?)

O avesso da pele

Um poderoso romance sobre identidade, raça e família.

Uma obra contundente de uma impressionante nova voz da literatura brasileira.

Em stock

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

ISBN 9789897841934

Data de publicação Abril de 2021

Páginas 200

Dimensões 145x230mm

Género Ficção, Literatura

Partilhar

"É necessário preservar o avesso, você me disse. Preservar aquilo que ninguém vê. Porque não demora muito e a cor da pele atravessa nosso corpo e determina nosso modo de estar no mundo." Agora que o pai morreu, inesperada e precocemente, Pedro tem pouco mais a que se agarrar senão aos ensinamentos e às memórias deixadas pelo pai, professor de Literatura na rede de ensino público. E homem negro, num país que julga os homens e as mulheres pela cor da pele. Esvaziado pela ausência, Pedro retraça os passos de Henrique nas ruas, procura vestígios seus nos pertences deixados no apartamento. Reduzido por vontade da mãe a uma relação intermitente com o pai, resta a Pedro a possibilidade de reconstruir ou imaginar o passado de Henrique - enquanto homem, enquanto pai - para, pelo caminho, procurar o entendimento de si próprio. Nesta rota íntima de Pedro, Jeferson Tenório faz uma delicada investigação das relações entre pais e filhos, ao mesmo tempo que esboça um retrato poderoso de um país sulcado pela segregação e pela pobreza, em que muitos não podem mostrar - por vezes, nem sentir - o seu avesso, esse espaço onde "entre músculos, órgãos e veias existe um lugar só seu, isolado e único". Com uma sensibilidade invulgar para lidar com os matizes das relações e uma inquietante habilidade para expor a questão racial sem ser didático ou panfletário, Jeferson Tenório afirma-se neste romance como uma das vozes mais potentes e corajosas da literatura brasileira contemporânea.
Os elogios da crítica: «É o olhar incisivo com que Jeferson Tenório descreve as várias matizes das relações humanas, sobretudo da relação entre pais e filhos, que tornam O avesso da pele um romance tão extraordinário. O foco da obra não deixa de ser o racismo e o preconceito da sociedade brasileira do sul, que o autor retratou por meio de exemplos concretos e, por isso, mais impactantes, mas é a forma como Tenório mostra o impacto que estes têm não só nas vítimas, mas naqueles que as rodeiam, que o eleva a outro patamar. O livro analisa com grande profundidade, beleza e delicadeza um tema que é muito mais complexo do que pode parecer, lembrando que, embora pese a urgência de mudar uma sociedade onde tanta coisa permanece errada, não basta curar as feridas superficiais. É preciso também curar as que estão do lado de dentro, escondidas sob a pele.» Rita Cipriano, Observador «Não é de graça que Tenório é tão bem acolhido pelo público e pela crítica. Ele não faz turismo, safári social, na desgraça geral do país, não faz da crítica à desigualdade um truque, um atalho apelativo e barato, panfletário, para ter mais aceitação, reconhecimento. Estamos diante de um escritor que, correndo todos os riscos, sabe arquitetar uma boa trama e encantar o leitor. Eu agradeço, a literatura brasileira agradece.» Paulo Scott «Através de um profundo mergulho em seus personagens, O avesso da pele consegue abordar as questões centrais da sociedade brasileira.» Geovani Martins «Uma obra necessária, contundente, que nos humaniza ao mesmo tempo em que nos tira qualquer inocência diante da máquina racista que não para de destruir vidas das mais diversas formas.» Miguel Sanches Neto, Jornal de Letras «O autor mescla o desabafo de quem enfrenta o preconceito a uma investigação corajosa da figura paterna. (…) Uma voz talentosa e urgente da nova ficção brasileira.» Raquel Carneiro, Veja «Sucinta saga familiar negra contemporânea, O avesso da pele constrói um aguçado e potente relato sobre relacionamentos, paternidade e a existência numa sociedade forjada pelo racismo.» Sérgio Luz, Globo «Se a morte é íntima demais para caber num espetáculo - como a de George Floyd se tornou, com a reprodução massiva do vídeo de seu assassinato -, Tenório recusa, por meio da literatura, o espetáculo da violência e a necessidade de idealização do homem negro para tornar sua morte mais intolerável. Ele nos mostra que é sua vida em si mesma, marcada pelas condições mais desumanizadoras possíveis, que deveria sempre tornar sua morte injustificável - pois a grande obra dos homens negros em um mundo racista é a sua própria vida.» Fernanda Sousa, Folha de S. Paulo «Um romance que nos mostra, a cada página, que no Brasil o avesso é a norma.» André de Leones, Estadão

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “O avesso da pele”

O seu endereço de email não será publicado.

Relacionados