16,61 

Quando éramos peixes

Um romance desconcertante e original, que reforça a universalidade da experiência humana.

FINALISTA DO PRÉMIO LITERÁRIO CORRENTES D’ESCRITAS

559 em stock

Também disponível em EBOOK:

Características
ISBN 9789897846588
Data de publicação Agosto de 2022
Edição atual 1.ª
Páginas 336
Apresentação capa mole
Dimensões 145x230mm
Idade recomendada Adultos
Partilhar:
Descrição

Simone e Tomass, arquiteta e engenheiro, casal em reconstrução, terminam uma ponte nas margens da Europa, entre Oriente e Ocidente.

O ambiente de fronteira, entre uma nova prosperidade e os velhos hábitos despóticos, é o palco de uma interrogação sobre o feminino e o masculino, a sexualidade e o género cujo protagonista é um verdadeiro triângulo amoroso onde cada vértice ama os outros, e Camille, a filha do autocrata, é objeto do desejo de Tomass e Simone.

A inércia da ponte sobre um horizonte onde presente e futuro se confundem com a violência do passado precipita o confronto entre inpíduo e coletivo e expõe as novas máscaras do populismo autoritário.

Sobre Quarentena – uma história de amor:

«Quarentena – uma história de Amor sintetiza tudo o que o leitor tem vindo a viver desde o primeiro confinamento, e estamos seguros – pela sua qualidade literária e originalidade estrutural, e também, pelo testemunho que as páginas sumariam, cristalizará este tempo estranho transfigurado na memória estética da Literatura. Doravante, escrever-se-á muito sobre este livro.» Miguel Real, Jornal de Letras

Sobre A melhor máquina viva

Um dos melhores livros de 2020 para o jornal Expresso e Público

Finalista dos prémios Fernando Namora, Correntes d´Escritas e da Sociedade Portuguesa de Autores

«Uma alegoria inteligente sobre o capitalismo, a pobreza, a literatura e a vida. Se necessário fosse, o segundo romance de José Gardeazabal vem confirmá-lo como uma das grandes vozes da literatura portuguesa.” José Riço Direitinho, Público (5 estrelas)

“(…) mereceria integrar as antologias dos melhores textos da literatura portuguesa de todos os tempos.” Miguel Real, Jornal de Letras

Sobre Meio Homem Metade Baleia

Livro finalista do Prémio Oceanos 2019

«A ironia em José Gardeazabal não é subtil, antes evidente, exagerada, declarada como recurso feroz de procura de sentidos, com vontade de baralhar, e de em extremo ser capaz de alterar fronteiras entre utopia e distopia.» José Riço Direitinho, Público

«Toda a filosofia, sociologia e ideologia pós-moderna vazada num único romance, e vazada ao nível da excelência, seja enquanto estilo (…), seja enquanto léxico (…), seja enquanto sintaxe (…), num género híbrido, inclassificável à luz da teoria clássica da literatura.» Miguel Real, Jornal de Letras

Sobre a obra de José Gardeazabal:

«O que mais surpreende é a escala e o fôlego do seu projecto literário.» José Mário Silva, Expresso

Do mesmo autor

14,94 

Quarentena – Uma história de amor

11,55 

Meio homem metade baleia

14,99 

A Mãe e o Crocodilo

15,93 

A melhor máquina viva

Outras sugestões

14,36 

Um, Ninguém e Cem Mil

19,31 

Onde o Lobo Espreita

16,61 

A sul de nenhum norte

13,90 

Vista Chinesa

15,29 

Refugiados

14,98 

Essa gente

Artigos relacionados com o autor
Nenhum resultado encontrado.