20,66 

A Guerra não Tem Rosto de Mulher

Nesta obra-prima, a Prémio Nobel de Literatura 2015 dá voz a centenas de mulheres que revelam pela primeira vez a perspetiva feminina da Segunda Guerra Mundial.

322 em stock

Também disponível em EBOOK:

Características

Chancela Elsinore

Tradutor Galina Mitrakhovich
ISBN 9789898843579
Data de publicação Setembro de 2016
Edição atual 2.ª
Páginas 400
Apresentação capa mole
Dimensões 222x150x22mm

Coleção Elsinore

Idade recomendada Adultos
Partilhar:
Descrição

PRÉMIO NOBEL DE LITERATURA

Nesta obra-prima, a Prémio Nobel de Literatura dá voz a centenas de mulheres que revelam pela primeira vez a perspetiva feminina da Segunda Guerra Mundial.

O número de mulheres combatentes no Exército Vermelho chegou quase a um milhão, mas a sua história nunca foi contada. Este livro, marcado pelo estilo pungente de Svetlana Alexievich, apresenta testemunhos de mais de 200 jovens russas que passaram de filhas, mães, irmãs e noivas a atiradoras, condutoras de tanques ou enfermeiras em hospitais de campanha. O seu relato não é uma história de guerra, nem de combate; é uma história de mulheres e homens catapultados «da sua vida simples para a profundeza épica de um enorme acontecimento».

Em que pensavam? De que tinham medo? Como foi aprender a matar? É sobre isto que estas mulheres falam, mostrando uma faceta do conflito sobre a qual não se escreve. Descrevem a sujidade e o frio, a fome e a violência sexual, a angústia e a sombra permanente da morte.

A Guerra não Tem Rosto de Mulher, a marcante obra de estreia de Svetlana Alexievich, foi originalmente publicada em 1985, depois de quatro anos de pesquisa e entrevistas. Esta edição corresponde ao texto fixado em 2002, quando a autora reescreveu o livro e incluiu novos excertos com uma força que, antes, a censura não lhe tinha permitido mostrar.

Tradução direta do russo por Galina Mitrakhovich

«[Neste livro] Svetlana Alexievich resume centenas de entrevistas com mulheres e alguns homens que sobreviveram à invasão, ocupação e guerra de libertação contra os nazis entre 1941 e 1945. Tão ou mais importante do que os testemunhos, extraordinária galeria num museu da memória, são os sentimentos que a repórter grafou, após cada entrevista, no seu diário e que apresenta na introdução do livro e nas primeiras páginas de cada capítulo.»

El Mundo

«Quando foi publicado nos anos oitenta, A Guerra não Tem Rosto de Mulher chamou a atenção e mereceu o elogio de Mikhail Gorbachev, então líder soviético. Há alguns anos, Svetlana Alexievich e Gorbachev encontraram-se pela primeira vez. Perguntou ele: “Sendo a senhora tão pequena, como consegue escrever livros tão grandes?” Alexievich

recorda a história e a resposta com um sorriso:“O senhor também não é propriamente um gigante, e conseguiria destruir um império.”»

The New York Times

«Pela sua escrita polifónica, um monumento ao sofrimento e à coragem na nossa época.»

Comité do Prémio Nobel de Literatura

Do mesmo autor

17,50 

Vozes de Chernobyl: História de Um Desastre Nuclear

16,06 

Rapazes de Zinco

19,75 

As Últimas Testemunhas

Outras sugestões

16,61 

Canções para o incêndio

16,91 

Cicatrizes

14,81 

Prosa Curta

15,29 

Um de Nós Dorme

17,50 

Ensina-me a voar sobre os telhados

13,91 

Gula de uma rapariga esquelética de amor

Artigos relacionados com o autor
Nenhum resultado encontrado.