PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL

(em compras superiores a 15€)

PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL (em compras superiores a 15€)

  • 0 Items - 0,00
    • Carrinho vazio.

Shop

16,91

Preço fixo até 28/02/2022 (?)

Preço livre (?)

Quando Deixámos Cuba

Uma viagem pela turbulenta relação de Cuba com os EUA na década de 1960.

Em stock

Também disponível em EBOOK nas seguintes lojas:

pgn_btn_4
pgn_btn_2
pgn_btn_3
pgn_btn_5
pgn_btn_1b

Caraterísticas

Chancela

Autor(a) Chanel Cleeton

ISBN 9789896688912

Data de publicação Março de 2020

Edição atual 1.ª

Páginas 336

Apresentação capa mole

Dimensões 150x230x20mm

Partilhar

Dividida entre a vida que deixou para trás e um futuro difícil de concretizar, uma mulher à frente do seu tempo arriscará tudo pelos seus ideais.

A Revolução Cubana roubou quase tudo a Beatriz Perez — a casa, a pátria, a vida do seu irmão.

Obrigada a refugiar-se na Florida com toda a família exilada, é recrutada pela CIA para se aproximar de Fidel Castro, a quem havia jurado vingança por tudo o que acontecera em Cuba.

Beatriz vê-se assim envolvida no perigoso mundo da espionagem, ao mesmo tempo que se debate com os seus próprios conflitos pessoais, decorrentes do romance proibido que mantém com uma figura proeminente da política norte-americana.

Com o aumento da tensão entre Cuba e os Estados Unidos, a teia de interesses políticos e sociais torna-se mais apertada em seu redor.

Quando o curso da História começa inevitavelmente a fugir ao seu controlo, Beatriz tem de fazer a mais difícil das escolhas — entre o passado e o presente, entre o amor e os seus sonhos e ambições mais profundas.

 

Os elogios da crítica:

«Uma viagem pela turbulenta relação de Cuba com os EUA na década de 1960 e pelas escolhas pouco ortodoxas de uma mulher obstinada.» — Marie Benedict, autora de A Mulher de Einstein

«Uma conturbada história de amor e um relato visceral da História. A escrita de Chanel Cleeton pulsa com paixão e intimidade... Há muito que se mostrara uma escritora notável, mas em Quando Deixámos Cuba escreve com uma força sublime que nos mantém presos às suas palavras.»— The Washington Post

Relacionados