16,61 

O cultivo de flores de plástico

Individualismo, consumismo, indiferença, desigualdade: Afonso Cruz não deixa nada por dizer sobre estes temas fraturantes, num livro de rara e íntima beleza.

168 em stock

Também disponível em EBOOK:

Características

Autor(a) Afonso Cruz

ISBN 9789897849237
Data de publicação Novembro de 2023
Edição atual 1.ª
Páginas 112
Apresentação capa dura
Dimensões 145x230mm
Idade recomendada Adultos
Partilhar:
Descrição

Lili ocupa o tempo de sobra a experimentar chaves em portas. O couraçado Korzhev dobra e desdobra mapas e carrega no bolso conchas que lhe devolvem a maresia. A senhora de fato suspira pelo tempo em que vivia uma vida alcatifada, com dois carros, um cão e um gato. Jorge sabe que bastou um passo em falso para ir parar ali. É o que separa as pessoas que vivem em casas das pessoas que vivem na rua: um passo mal dado. Num texto belíssimo, pleno de dor e ironia, Afonso Cruz imagina as vidas de um grupo de pessoas que vive «debaixo do mau tempo», abaixo da linha mínima da dignidade e conforto que deveria caber a cada pessoa. O cultivo de flores de plástico é um apelo para que olhemos para os seres invisíveis das nossas cidades.

«No fundo, é isso. Ninguém nos vê. Somos invisíveis. A miséria é uma poção de invisibilidade. Quando as roupas ficam rotas, quando estendemos uma mão, puf, desaparecemos. Somos as pombas dos ilusionistas. Isto dava para um negócio, dava para ganhar a vida com os turistas. Levava-os a ver fantasmas numa cidade assombrada. Levava-os a verem-nos. Olhem, damas e cavalheiros, meninos e meninas, esta é a Lili, tem saudades de ser criança, tem no nariz o cheiro do tabaco nos dedos do pai e crostas nos braços, por aqui, por favor, cuidado com os pés, não pisem as camas, parecem cartões, eu sei, ali ao canto está o couraçado Korzhev, que se deixou ficar, com os ícones na lapela, sigam-me, é um deserto meio russo e traz o barulho do mar nos bolsos, atenção, cavalheiro, saia de cima do cobertor, vejam, ali, ali ao fundo, uma genuína senhora de fato, que ainda há poucos meses andava a alcatifar o mundo, minhas senhoras e meus senhores, e ainda tem na voz restos da vida anterior, do tempo em que havia casas. Palmas, por favor. E eu? Eu sou o Jorge, também invisível como qualquer fantasma, vivo nas ruas. Obrigado, obrigado, e agora, se me permitem, vou comer a minha sopa, que está a arrefecer há tantos anos.»

Do mesmo autor

14,36 

Mil anos de esquecimento (Enciclopédia da Estória Universal 5)

9,85 

Jesus Cristo bebia cerveja

12,56 

A Cruzada das Crianças

16,60 

Nem todas as baleias voam

14,36 

Enciclopédia da Estória Universal: Mar (Enciclopédia da Estória Universal 3)

9,85 

Flores (Livro de Bolso)

9,86 

Princípio de Karenina (Livro de Bolso)

14,36 

Enciclopédia da Estória Universal: As reencarnações de Pitágoras (Enciclopédia da Estória Universal 4)

14,36 

Biblioteca de Brasov (Enciclopédia da Estória Universal 6)

16,60 

Jesus Cristo bebia cerveja

Outras sugestões

11,65 

Serotonina (Livro de Bolso)

16,60 

O deslumbre de Cecilia Fluss (Trilogia dos Lugares Sem Nome 3)

11,65 

Submissão (Livro de Bolso)

19,78 

Kaputt

18,41 

Ao ritmo do Harlem

16,97 

Yerba Buena

Artigos relacionados com o autor
Nenhum resultado encontrado.